Sacrifício de animais esconde o fundamento espúrio das religiões

Deixe um comentário

19 de Junho de 2011 por wesleycoresma

A matança de animais esconde o fundamento espúrio de toda religião: viver implica numa culpa a ser expiada pela morte.

Viver sem culpa exigiria, portanto, uma sucessão infinita de mortes, ou de substitutos mortais, no caso as vítimas animais. Ou uma morte eternamente rememorada e comemorada (?) de um infinito suposto redentor ao mesmo tempo morto e vivo, no caso da vítima simbólica do Cristo Morto e Ressuscitado.

É claro que não há Deus nenhum a exigir isso, e sim a consciência implacável dos seres humanos, que obtêm, com o sangue, a violência e dor, o aplacar da fúria do seu inconsciente ávido de morte e reparação pelo “sacrifício”.

A doutrina do sacrifício, estudada pelos antropólogos sérios como Eliade, Mauss, dentre outros, demonstra o quanto a consciência religiosa é primitiva, por mais espiritualizada que pareça.

Uma crença que se deve matar ou morrer para justificar a vida é absurda e só poderia ter surgido na consciência dos primitivos, cuja identificação com a vida e a morte mediante a matança e comensalismo era uma analogia nutricional espiritual com aquilo que se pensava adquirir com a incorporação dos elementos mágicos. Assim julgavam assimilar a força, a coragem, a bravura dos vencidos e das feras, comendo-lhes.

Os religiosos de hoje julgam aplacar a ira do seu Deus, quando é a sua própria ira que eles desejam ver acalmada. Só isso.    Blog: wesleycoresma.wordpress.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: